Academia   Seminários
 
 
 
 
     
 
26.jun.2014
Desafios dos DMO

Desafios dos DMO (Gestão online dos destinos turísticos) Parte 1


Num mundo de redes sociais e partilhas e sabendo que um dos factores mais importantes na decisão de destino é o word of mouth, é importante garantir e potenciar ao máximo o canal que mais trabalha este objectivo, os conteúdos criados pelos utilizadores.

Hoje vivemos e viajamos a partilhar, adoramos mostrar ao amigos e familiares as experiências que estamos a viver. Cada vez mais a viagem é uma altura em que partilhamos o que vemos e as experiências que temos. Se 88% das pessoas leva um aparelho móvel com capacidade Wifi ou 3G para as suas férias e 61% usa-os todos os dias, então existe muito material a ser criado a todo o instante.

Por outro lado 40% das pessoas que viajam são influenciadas pelo que lêem nas Redes sociais quando estão a planear umas férias e 50% baseiam a sua escolha e planeamento de acordo com experiências de outras pessoas.

Se por um lado temos os utilizadores a criar os conteúdos e por outro os potenciais turistas a serem influenciados por esses mesmos conteúdos, o que devem fazer os responsáveis dos destinos? Criar conteúdos institucionais ou potenciar e promover a criação de conteúdos pelos utilizadores?
Se os conteúdos institucionais são importantes pela qualidade da informação e pelo SEO, os conteúdos dos utilizadores são os que motivam pela sua própria experiência a visita ao destino. Se estiverem a planear uma viagem para um destino o que vos motiva mais? Uma brochura lindíssima ou a foto do primo a dar um mergulho parvo nas águas límpidas do destino? Muito provavelmente o primo vai ganhar. Mas porque não usar esses conteúdos como um dos elementos fundamentais na promoção.

Mas aí temos duas necessidades, em primeiro lugar a recolha de conteúdos, e isso pode ser feito, por exemplo, promovendo uma hashtag de destino e incentivar a sua utilização global, seja pelos agentes locais como, e principalmente, pelos turistas. Em segundo lugar potenciar as partilhar, criar elementos de partilha espalhados pelo destino, sejam pequenos pormenores como selfie zones (os locais recomendados para a fazer uma selfie) ou zonas de interação onde o utilizador pode partilhar a experiência.

Continua...
 



 


Links


 








 

 
Autores
     
     
    Ver Todos  
 
Formação Inesting