27.nov.2013
Campanhas de Geomarketing com Personalização de Conteúdo

O Geomarketing via Telemóvel


Toca o telefone. É mais um cliente que pretende falar sobre o El Dorado do Geomarketing... Falamos de Redes Sociais, Facebook, Foursquare, falamos de Motores de Busca e por fim dos Telemóveis, até que sai a pergunta de 1 Milhão de Dólares: "Conseguimos enviar uma mensagem para o telemóvel dos nossos clientes que atravessam a 25 de Abril no sentido Norte-Sul?".

Hoje quero partilhar convosco algumas coisas sobre o Geomarketing Mobile.

1. As Operadoras de Telecomunicações estão limitadas

As operadoras de telecomunicações móveis sabem a todo o momento a nossa localização aproximada, pois os nossos telemóveis estão em permanente contato com as suas Antenas, "denunciando" a zona onde nos encontramos. Na teoria estes providers possuem a faca e o queijo na mão para implementarem ações de mobile marketing aplicando técnicas de geosegmentação. No entanto, raramente o fazem se pensarem bem... No meu caso específico apenas sinto que as Operadoras estão a usar o conhecimento da minha localização, quando vou ao estrangeiro (e me encontro em Roaming) ou ao meu regresso. Neste caso específico, a Operadora usa essa potencialidade porque está previsto no âmbito do Serviço de Roaming ativado. No entanto, porque não exponenciam esse conhecimento numa ótica de marketing puro, inclusivamente rentabilizando este ativo junto de marcas anunciantes? Porque legalmente não podem. A legislação portuguesa protege o direito à confidencialidade dos utilizadores e as Operadoras não conseguem superar esta barreira legal.

2. O Bluetooth Marketing está em vias de extinção

O Bluetooth é um protocolo wireless para comunicações de curto alcance, viabilizando a conexão e trocas de informação com aparelhos como telemóveis, PDAs, computadores, impressoras, câmaras fotográficas, entre outros, através de uma frequência rádio mundialmente disponível (2.4GHz).

Tem as vantagens de um baixo custo por contacto (não se paga às operadoras móveis por contacto), não exige conhecimento prévio do número de telemóvel do utilizador e facilita a transmissão de conteúdos multimédia ou aplicações.

No entanto, as desvantagens não são poucas. Poucos utilizadores têm Bluetooth ligado porque consome muita bateria e devido à desconfiança dos emissores de conteúdos (possibilidade de recepção de vírus em vez de conteúdos fidedignos). Devido à lentidão de comunicação não é aconselhável enviar conteúdos de grande dimensão. Também não é viável comunicar com mais de uma dezena de utilizadores em simultâneo. Last but not the least, os iPhones não permitem entrega de mensagens Bluetooth...

Acresce que o alcance das antenas limitado entre 30 a 100 metros (dependendo das barreiras físicas, por exemplo paredes, pode até ser inferior).

No outro dia liguei para um parceiro de longa data que se chama BLUEXPTO(não vou dizer o nome preciso por respeito à confidencialidade) e a resposta deles foi "já não implementamos sistemas de Bluetooth Marketing". Porquê? As barreiras técnicas conduzem a um retorno reduzido.

3. As APPs móveis abriram novos horizontes

Os sistemas operativos móveis (ex: iOS ou Android) permitem a entrega de breves notificações de texto, enviadas pelos proprietários das APPs instaladas nos terminais.

Essas notificações podem estar linkadas para a aplicação, onde é possível obter maior detalhe e riqueza gráfica. Dependendo das permissões / definições do terminal do utilizador, este tipo de notificação pode usar filtros geográficos.

Algumas das vantagens deste tipo de tecnologia são o alcance mundial, através de web, desde que haja conectividade via redes de dados (Wifi ou 3G). Existe possibilidade de entrega com segmentação Geográfica e robustez para entrega em milhares de utilizadores em simultâneo.

A solução portuguesa Direct100, permite a entrega deste tipo de comunicações em aplicações móveis. Poderá também consultar um artigo interessante sobre Push Notifications no seu blogue.

---

Em resumo, uma marca que já tem uma APP no mercado poderá considerar um upgrade para usar as Push Notifications, alavancando as potencialidades de comunicação com o seu universo de utilizadores.

Quem ainda não tem uma APP, aconselho que considere este tipo de funcionalidade (se possível integrado com um gestor de conteudos amigável) no desenvolvimento futuro da mesma.


 











Artigos Relacionados



21.ago.2008
 
Marketing de Proximidade: nova tendência do mobile marketing
 
 
 
19.abr.2010
 
Uma nova fase da marketingtecnologico.com
 
 
 
1.mar.2011
 
Mobile World Congress 2011
 
 
 
29.nov.2007
 
Portugal Vs Brasil em SMS
 
 
 
6.dez.2011
 
Mobile Commerce duplica o seu peso em 2011
 
 
 
 




Autores
     
     
     
 
Formação Inesting