5.fev.2013


A ascensão do Google+ e os ranking actuais das redes sociais


Lançado há algum tempo, a rede social do Google, vista como a resposta ao sucesso do Facebook, tem vindo gradualmente a ganhar o seu espaço. A mostrá-lo vem uma noticia com poucos dias, segundo a qual, o Google+ será já a segunda maior rede social em número de utilizadores mensais, tendo ultrapassado o Twitter.

Em termos de números, enquanto o Facebook mantém uma quota superior a 50% de utilizadores mensais de internet, o Google+ atingiu, em Dezembro passado, os 25%, enquanto o Twitter caiu para quarto lugar, disputando agora o terceiro lugar com o YouTube, ambos com pouco mais de 20% de utilizadores.
Vários motivos são apontados pelos analistas para esta subida. O formato e disposição de conteúdos e recursos do Google encontram-se cada vez mais organizados numa plataforma única – um único login permite aceder a múltiplos serviços Google e partilhar informação entre os círculos de contactos e listas de amigos. Além disso, os beneficios dados pelo Google, em termos de ranking de motores de busca, aos sites que disponham de perfis Google+, acaba por incentivar a sua utilização, pelas vantagens que daí advêm.

Outro pormenor, de consideração mais discutível, tem a ver com o crescimento desta rede se fazer sentir mais em países em desenvolvimento mais acelerado e que tinham até recentemente menores indices de acesso à internet. Ao aumentarem a taxa de utilização, tornam-se mais facilmente membros do Google+, por força do motor de busca, do que pelas caracteristicas da rede social.

Apesar da subida de importância estatistica, pelo menos, do Google+, é ainda muito cedo para descartar outros canais sociais. Segundo o Global Web Index (GWI), o Twitter foi ainda a rede com crescimento global mais rápido, aumentando 40% entre o segundo e o quarto trimestre de 2012. O Facebook, apesar da concorrência e de algumas situações mais polémicas, em termos de privacidade e utilização de dados dos utilizadores, manteve ainda crescimento positivo quanto a membros activos, superior a 30% na segunda metade de 2012.

Com mais ou menos variações de números, a opinião de que ignorar o Google+ em detrimento de outras redes sociais actualmente mais estabelecidas, parece ser consensual em afirmar ser um erro estratégico a médio prazo. A enorme importância do Google enquanto principal motor de busca e as capacidades de integração e divulgação de informação que apresenta, são tais, que promete uma luta acesa entre os dois gigantes – basta ver o lançamento do Facebook Search Graph, que abordámos há duas semanas e que promete dar bastante que falar.


 











Artigos Relacionados



2.ago.2011
 
Facebook for Business: o contra-ataque do Facebook ao Google+?
 
 
 
28.fev.2012
 
O Google+ e a influência do SEO
 
 
 
22.nov.2011
 
O Google+ e o SEO
 
 
 
10.abr.2011
 
Uma Equipa de Gestão do Social Media Marketing
 
 
 
4.set.2008
 
Estão as redes sociais a perder o interesse?
 
 
 
 




Autores
     
     
     
 
Formação Inesting