27.mar.2008


Anatomia da Rede Google AdWords


Na cabeça de muitos, Google AdWords é sinónimo de publicidade indexada naquele motor de busca. Definem-se as palavras-chave, escreve-se o texto do anúncio, escolhe-se o preço a pagar por cada clique, e pronto, temos uma campanha no Google.

Esse processo é de facto a coluna vertebral do sistema, e a razão da sua popularidade. Mas a seu lado, existem outras possibilidades que podem aumentar o alcance da campanha.

O conjunto de todas elas forma aquilo que eu chamo “Anatomia da Rede Google AdWords”, cuja constituição deve estar na ponta da língua de qualquer anunciante.

O corpo da nossa campanha pode ter o aspecto que melhor nos servir, e depende de onde queremos exibir os anúncios e de como os queremos pagar.

Anatomia da Rede Google AdWords 

Distribuição: onde vão os anúncios aparecer? 

A primeira coisa a saber é que os links patrocinados podem aparecer em mais sítios que apenas no Google. Podem aparecer noutros motores de busca que são alimentados por ele (Rede de Pesquisa), ou em qualquer site que tenha aderido ao Google AdSense (Rede de Conteúdo).

A composição desta distribuição é feita pelo anunciante. Pode querer ter só uma campanha no Google, pode querer ter só uma campanha na Rede de Conteúdos, em ambas…

Anúncios: só texto ou algo mais colorido?
 
Se nos motores de busca, a única hipótese possível são os habituais anúncios de texto, em alguns sites da rede de conteúdos é possível exibir anúncios gráficos de vários formatos, em imagem estática, flash e até vídeo.

Preço: por cada clique ou por cada visualização? 

É sobretudo por causa dessa maior riqueza gráfica e inerentes vantagens ao nível da notoriedade possibilitada pela Rede de Conteúdos, que para além do Custo por Clique, os anunciantes também podem nesse ramo, optar por pagar por mil visualizações.

Campanhas: qual se adapta às escolhas feitas? 

Dependendo das decisões feitas opta-se então por uma campanha segmentada por palavras ou por site. Nesta última, menos conhecida, em vez de palavras-chave definem-se os sites onde queremos que os anúncios apareçam.
 
Ou seja, o nosso anúncio de texto pode aparecer no Google sempre que alguém procurar pela palavra X, mas também como banner no Expresso.pt.

É tudo uma questão de anatomia.
 


 











Artigos Relacionados



19.mar.2008
 
Introdução ao Índice de Qualidade Google AdWords
 
 
 
27.mar.2008
 
Acelerar com Google AdWords
 
 
 
27.mar.2012
 
Modelo dos Gaps em Search Engine Advertising
 
 
 
12.jun.2008
 
O Peso do Google AdWords no caminho até à Casa Branca
 
 
 
20.nov.2010
 
Vanity Bidding: A obsessão de ser o primeiro no Google – parte 1
 
 
 
 




Autores
     
     
     
 
Formação Inesting