Academia   Seminários
 
 
 
 
     
 
27.mar.2012
Tripadvisor Business Listings

Business Listings Trip Advisor: Vale a pena?


Lançado já em Janeiro de 2010, o Business Listing da Trip Advisor é uma forma de dar maior destaque a uma página nesta conhecida ferramenta de marketing para o sector do turismo. Esse destaque será dado pela possibilidade de incluir informações de contacto na própria página do Trip Advisor, permitindo assim aos utilizadores visitar o site do anunciante e efectuar determinada acção, nomeadamente efectuar uma reserva de alojamento ou contactar directamente e sem intermediário algum, o anunciante.

Note-se contudo, que esta funcionalidade não está disponível a todas entidades com página no Trip Advisor, estando limitado a unidades hoteleiras.

O Business Listing é apresentado como uma importante forma de alavancar e destacar um determinado negócio, aumentando a oportunidade de se destacar, perante um público mensal calculado em 50 milhões de visitantes e que se encontra em fase de decisão, quanto ao destino da sua viagem. Além disso, outros 10 milhões de potenciais clientes podem ver os anunciantes nos seus dispositivos móveis, num mercado em enorme crescimento.

Em poucas palavras, esta função aparece com grande flexibilidade, permitindo acrescentar informação adicional no página no Trip Advisor, que inclui endereço do site do anunciante, contactos de telefone ou email, apresentação de ofertas e promoções. Em troca desta possibilidade aos seus clientes e à perda de comissões, por permitir que as reservas sejam feitas directamente no site do cliente e não na sua plataforma, o Trip Advisor cobra um fee, por um serviço que terá duração mensal ou anual.

Como forma de promover este serviços, o Trip Advisor enunciou as 10 principais razões que deverão motivar os seus clientes a aderir a este programa. Entre outras, destacam-se o maior destaque e visibilidade que será dada ao anunciante, os custos fixos e reduzidos de participação, assim como um apreciável retorno no investimento. Relativamente a este último ponto, existem já alguns estudos, que procuram determinar qual é de facto o resultado que se pode esperar, em termos de aumento de reservas e de receitas. Para o efeito, a Trip Advisor encomendou um estudo a uma consultora, a Forrester, que desenvolveu uma metodologia de análise, visando quatro áreas principais: custo, beneficios, flexibilidade de opções e risco.

Aplicado a um grupo hoteleiro, chegou-se a algumas interessantes conclusões:
­- em termos de custos, os fees fixos que são cobrados parecem ser facilmente comportados e rapidamente recuperados, para além de existir a possibilidade de fazer pagamentos numa base mensal ou anual.
­- A nível de beneficios, foi considerado um valor médio de retorno, de 1:6, ou seja, por cada dólar investido, haverá um aumento de seis dólares nas reservas efectuadas (sendo que este valor irá variar em função da dimensão e número de hotéis anunciados).
­- Flexibilidade nas opções, pois os Business Listings permitem a inclusão de ofertas e promoções, utilizando os templates disponibilizados para a melhor apresentação. Será importante considerar ter contactos de email e telefone dedicados a receber pedidos vindos destes anúncios no Trip Advisor.
­- Finalmente o Risco. A análise do custo de riscos associados a esta forma de apresentar e destacar unidades hoteleiras no Trip Advisor é também considerada e indicam baixo risco, mitigada ainda pela possibilidade de subscrever o plano mensalmente e com hipótese de cancelamento a qualquer altura. Os principais riscos observados relacionam-se com a eventual incapacidade do Hotel em lidar com o processo, desperdiçando oportunidades; falta de formação dos responsáveis, que assim se mostram incapazes de optimizar as acções e aumentar os beneficios e a possível incapacidade de medir e quantificar os resultados que daí advierem.

Deste estudo, desenvolvido junto de empresas participantes, a impressão global que passa é a de que esta funcionalidade apresenta forte potencial para obtenção de ROI interessante, com um break-even a poder ser atingido num espaço curto de tempo.

Por outro lado, as reacções ao serviço, lidas pela internet, acabam por não ser tão consensuais ou põem em dúvida a verdadeira valia de a activar, considerando que aspectos como o tipo de negócio ou mesmo as reviews que são deixadas por clientes, acabam por ter enorme importância no momento de decidir por determinado hotel em detrimento de outro e que não será apenas o destaque dado a uma página que fará a diferença.
As principais sugestões passam assim por proceder a um teste, aproveitando a possibilidade de dispor do serviço por períodos de um mês e procurar medir, com o máximo de rigor (via analytics ou através dos já referidos contactos dedicados) o retorno obtido. Naturalmente que o resultado terá de ter em atenção a dimensão do hotel ou da cadeia hoteleira – quanto maior, mais tráfego deverá originar e teoricamente, maior número de reservas deverão ser conseguidas. Mas também esta será a oportunidade de um anunciante com pior rating, procurar compensar essa situação apresentando as suas ofertas e promoções e assim melhorar a sua posição.

Análises feitas por outras entidades não se revelaram tão interessantes, como o estudo encomendado pelo Trip Advisor. Realizado pela Mirai, entidade espanhola do sector hoteleiro, uma análise sobre hotéis de Madrid demonstrou o reduzido tráfego com origem no Trip Advisor; que a taxa de conversão é do mesmo nível obtido por outras fontes (excepto no caso de o ranking de reviews ser muito favorável); o ROI é muito variável entre anunciantes.

Resumindo, com fees a partir de $500 USD, cada cliente deverá tentar perceber se tem real interesse nos Business Listings da Trip Advisor e pesar os prós e contras, procurando dar resposta às seguintes questões?

- a estratégia é vender directamente através do site?
- o site é user friendly e consegue elevadas taxas de conversão?
- existe ofertas de baixos preços e dos melhores quartos?
- Existem dados de anteriores campanhas Search nos motores de busca, como benchmark?
- Existe disponibilidade para arriscar algum capital (ainda que o risco seja limitado)?



 










 


Artigos Relacionados


3.jan.2012
Consumidores desconfiam do Facebook para fazer compras
 

 

25.fev.2010
Consumidores Online Preferem Facebook
 

 

23.abr.2011
Social Media Killed the Email Star?
 

 

4.set.2008
Estão as redes sociais a perder o interesse?
 

 

5.jul.2011
Uma nova estrela nas redes sociais?
 


 

 
Autores
     
     
    Ver Todos  
 
Formação Inesting