25.set.2012
Novos tempos de Call to Action

Mensagens Voz - Novos tempos de Call to Action


A utilização de mensagens voz em campanhas de mobile marketing tem sido uma ferramenta utilizada com alguma precaução pelas marcas. Trata-se de um suporte de mensagem de cariz um pouco mais intrusivo, que ao contrário de uma simples sms, implica o atendimento de uma chamada e a dedicação de algum tempo de escuta. É certo também, que a voz (fala) é cada vez mais desejada para os utilizadores enquanto meio facilitador para interagir com as diversas aplicações tecnológicas de uso diário, por outro lado é cada vez menos importante enquanto forma de comunicação via mobile. Estudos recentes indicam que o uso de voz em smartphones está a perder terreno em oposição à utilização das mensagens de texto, redes sociais e chats.

No entanto, a utilização de mensagens de voz em campanhas de mobile marketing apresenta já alguns argumentos que deverão ser tidos em conta e outros tantos que se vislumbram para o futuro.

Entrega em telefones fixos - Uma das grandes vantagens da mensagem voz é o facto de este recurso permitir a entrega em todo o tipo de telefones móveis e fixos. Um universo maior de destinatários ou mesmo de segmentos ou nichos de mercado que apesar da excelente taxa de penetração mobile em Portugal, são dificilmente alcançáveis via este canal.

Múltiplas possibilidades de criação da mensagem - Actualmente é possível criar mensagens voz e difundi-las de modo massificado para as listas de opt-in com custos superiores ao do sms mas ainda assim acessíveis. É possível criar uma campanha numa plataforma de mobile marketing com o simples upload de um ficheiro mp3 ou wav(spot utilizado na rádio por exemplo) ou utilizar a opção Text-To-Speech onde é possível a escolha de diferentes vozes masculinas e femininas com uma reprodução já bastante natural e com a possibilidade de atribuir emoção e pausas ao discurso. A utilização de campos variáveis com a tecnologia Text to Speach permite ainda uma personalização das mensagens através da utilização de variáveis como nome entre outras - com alguma agilidade o efeito intrusivo pode atenuar-se com o efeito proximidade.

Âmbito de Acção - A utilização da mensagem voz ultrapassa o âmbito de acção do mobile marketing, uma vez que este recurso é também bastante utilizado para alertas; informações; confirmações de participação; cobranças; e de sistemas de interacção com websites com passatempos ou confirmações de opt-in.

Interactividade - É através da interactividade que este canal traz melhores resultados. Várias marcas em Portugal como o Sporting, a Optimus, Zon e Meo já realizaram campanhas que combinam um micro-site com um telefonema personalizado para o utilizador. Na solução mais simples do modelo é possível introduzir dados num mini-formulário e o utilizador segundos depois recebe uma chamada personalizada. O impacto é maior consoante o processo ou da forma como ou quem transmite a mensagem. Frequentemente recorre-se à voz de figuras públicas na mensagem, como foi o caso de Paulo Bento, Soraia Chaves ou Ricardo Araújo Pereira para algumas das marcas acima citadas.

Este processo constitui também uma forma muito interessante de incremento das listas de opt-in em que a motivação para o efeito acaba por ser a experiência e diversão proporcionado pela mecânica, geralmente agrada ao público por não ter carácter intrusivo uma vez que está dependente da participação inicial deste.

Existem já mecânicas de interactividade que permitem modelos mais complexos em que a acções diferentes poderão ser dadas em função de acções e respostas por voz. Sofisticadas tecnologias de voz já são comuns em callcenters, permitindo aos utilizadores navegar através dos menus.

A rápida ascensão de poderosos dispositivos móveis está a contribuir para que os interfaces de voz sejam ainda mais úteis e penetrantes. Adicionando isso ao facto de haver melhores conexões de banda larga e acesso a dados por tecnologia cloud, onde os servidores podem fazer o trabalho pesado, permitem assim potenciar o processamento do reconhecimento de voz.

Os smartphones trazem o deslizar do dedo em detrimento do clique do mouse, mas também é verdade que muitos utilizadores têm as mãos e os olhos de outra forma ocupados. Daí que se conclua que a voz, embora com contornos diferentes, não esteja já condenada enquanto forma de comunicar no universo mobile e com a democratização da inovação constante, novas possibilidade possam surgir ao serviço do mobile marketing.
 


 







 




Autores
     
     
     
 
Formação Inesting