Academia   Seminários
 
 
 
 
     
 
27.out.2014
remarketing de pesquisa

Uma nova variante de Remarketing...


Em testes desde 2012 e lançado no Verão de 2013, os chamados RLSA – Remarketing Lists for Search Ads são mais uma oportunidade dos marketeers para a publicidade paga.

Em poucas palavras, permite alcançar utilizadores na página de resultados de um motor de busca, recorrendo a um anúncio de texto, baseando-se para tal numa visita prévia ao site do anunciante e na activação de palavras-chave.

O conceito baseia-se na ideia, já conhecida de outros formatos de remarketing, de que um utilizador que já visitou um site e está mais desperto para o que oferece, mais facilmente poderá converter. Por isso, os anúncios que lhe forem apresentados serão mais relevantes e terão melhores indicadores, a nível de CTR, taxas de conversão e custo de conversão inferiores.
Esta forma de remarketing funciona utilizando o mesmo tipo de listas do já conhecido Remarketing de Display. No entanto, as palavras-chave são a fonte principal para a relevância destas campanhas, podendo ser afinadas para melhorar o seu desempenho.

Uma lista pode ser adicionada a qualquer grupo de anúncios, dando origem à criação de uma audiência, ou seja, o público-alvo, muito especifico, a que se pretende chegar. A Google faz notar que não se trata de simples remarketing sobre as pesquisas, não dando informações ou acesso ao histórico de pesquisas feitas pelo utilizador, antes utiliza listas criadas para Display ajustando-as ao que este faz nas pesquisas.

Para melhores resultados, existem algumas boas práticas que devem ser seguidas:

- separar campanhas de remarketing para pesquisa e display;
- compreender a relevância primeira dos anúncios, proporcionada pelas palavras-chave e o objectivo da pesquisa pelo utilizador;
- criar uma campanha de remarketing com anúncios próprios, diferentes da campanha principal;
- considerar várias estratégias, com correspondência de palavras ampla, pois as listas de remarketing segmentam já bastante o público-alvo.
- considerar activar uma campanha, apenas quando a lista estiver acima dos 1000 utilizadores, dando maior relevância e impacto.

Alguns casos apresentados demonstram a validade desta opção: no caso de palavras fora do top10 de pesquisas, ou com posição média superior a 2, o retorno conseguido melhorou de forma interessante. Noutros casos, foram reportados aumentos até 70% no CTR, em comparação com as campanhas tradicionais. Ainda mais atractivo, o custo de conversão baixou, nalgumas situações, em 45%.

O remarketing tem gradualmente ganho o seu espaço como estratégia na publicidade digital, comprovando-se a sua importância com o desenvolvimento de cada vez mais formatos, desde o display e pesquisa, como também de apps ou video.
Não será altura de repensar as suas campanhas?



 










 


Artigos Relacionados


10.out.2011
As principais tácticas de Remarketing
 

 

12.ago.2012
Remarketing: as novidades e o futuro
 

 

27.mai.2014
O Remarketing, também no Facebook
 

 

24.mar.2015
Gestão de Publicidade online na palma da mão com as Apps AdWords e Facebook Ads!
 

 

1.jul.2015
Anúncios AdWords no Google Play Music
 


 

 
Autores
     
     
    Ver Todos  
 
Formação Inesting