18.dez.2012
buzz

Tem a certeza que está a usar bem o social media?


Nem sempre os resultados provenientes do uso do social media coincidem com os objectivos previamente estipulados. E, aparentemente, tudo foi feito “como deve ser”. Uma possível causa poderá ser porque está a replicar antigas técnicas em novos métodos.

Durante o século passado o objectivo número um de muitos departamentos de marketing e de comunicação consistia em influenciar as percepções dos consumidores e o seu comportamento através de propagandas, descontos, garantias, apoio de celebridades, etc. Medidas essencialmente sensoriais ou emocionais que visavam estimular o desejo do comprador e consequentemente a compra. Por falta de tempo ou de informação, nem sempre o consumidor tinha a possibilidade de racionalmente distinguir uma marca ou oferta de outra e a eficácia destas acções eram muitas vezes um facto consumado.
 
Porém, com o advento da Internet, designadamente da Web 2.0, o acesso a informação imediata, útil e grátis alterou o contexto onde o marketing opera e deu força ao consumidor.
 
Quando usa o social media, o cerne não deve estar na “mentalidade de campanha”, que leva à percepção de que o social media mais não é do que outra plataforma de publicidade, mas na capacidade de criar experiências para o seu consumidor, acrescentando valor à marca; e de pensar de forma estratégica e a longo prazo.
 
Uma coisa é promover de vez em quando campanhas na sua plataforma social media, outra, bem diferente, é usar o social media apenas para esse fim e no intervalo dessas campanhas “ausentar-se”.
 
O social media exige uma presença e um cuidado contínuo, e ainda um especial enfoque na construção de relações - o que requer tempo e, verdade seja dita, paciência. É aqui que as Relações Públicas encontram um lugar de destaque.
 
O social media permite ainda enriquecer as suas análises SWOT, já que fornece inputs preciosos quanto ao ambiente externo (por exemplo por meio de análise de blogs, fóruns, redes sociais), ao mesmo tempo que lhe permite avaliar as suas forças e fraquezas.
 
Eis um conjunto de perguntas que o poderão ajudar no uso que faz do social media:
As suas mensagens reflectem quem é ou o que faz?
Já perguntou aos seus consumidores o que eles querem ver na sua plataforma social media?
A sua estratégia de social media está interconectada com o resto das acções de comunicação e com os objectivos estratégicos?
Porque razão os seus consumidores hão-de segui-lo? O que o distingue da concorrência (por exemplo, em conteúdo) e o que tem a oferecer?
Já perguntou aos seus consumidores como chegaram até à sua página? Já conversou com eles? Lembre-se que monólogos não são conversa.
Está convencido de que tira partido de todas as plataformas que a Web 2.0 lhe oferece? Não se esquece que há mais vida para além do Facebook.
 
Em suma, aprenda a usar o social media na sua plenitude. Isto é, saiba envolver os seus consumidores ou clientes e aprenda com eles.


 











Artigos Relacionados



19.nov.2009
 
O evangelho segundo a internet
 
 
 
21.jan.2014
 
EdgeRank: como aproveitar as potencialidades do algoritmo do Facebook
 
 
 
2.ago.2011
 
Facebook for Business: o contra-ataque do Facebook ao Google+?
 
 
 
20.dez.2011
 
Viagens aéreas sociais
 
 
 
23.jul.2013
 
Afinal para que servem as hashtags no Facebook?
 
 
 
 




Autores
     
     
     
 
Formação Inesting